GO: (62) 3250-0707 GO (62) 9 9644 0139 Horário Comercial

Confiança da indústria avança 1,2% após cinco meses de queda, aponta pesquisa

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 1,2% em novembro ante outubro, passando de 97,8 pontos para 99 pontos, informou nesta quarta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). Esta é a primeira alta do indicador após cinco quedas consecutivas. Crescimento é maior do que o apontado pela prévia, divulgada na semana passada. No mês de outubro, o índice chegou a seu pior indicativo desde julho de 2009.

No âmbito do ICI, o Índice da Situação Atual (ISA) apresentou evolução ao subir 1,8% na mesma base de comparação, chegando a 99,9 pontos. No caso do ISA, este também foi o primeiro resultado positivo após cinco recuos sucessivos. Já o Índice de Expectativas (IE) cresceu 0,6%, para 98,1 pontos, na segunda alta mensal seguida. Todos os dados da pesquisa são ajustados sazonalmente.

De acordo com a FGV, a sondagem de novembro sugere que o período de sucessivas quedas da confiança pode ter ficado para trás. "A indústria deve apresentar no quarto trimestre de 2013 desempenho superior ao do trimestre anterior, embora o ritmo de atividade do setor esteja apenas em transição entre fraco e moderado", afirma a fundação em nota.

O indicador de satisfação com o nível de demanda foi o componente com maior impacto sobre a evolução do ISA em novembro, com melhoras na percepção tanto sobre a demanda interna quanto externa. O indicador subiu 3,8%, para 99 pontos. A proporção de empresas avaliando o nível de demanda como forte aumentou de 13,3% para 13,9%, enquanto a parcela daquelas que o avaliam como fraco recuou de 17,9% para 14,9%. No caso do IE, o componente de emprego previsto foi o que teve maior influência sobre o resultado de novembro. Com o aumento de 2,6%, o indicador atingiu 107,1 pontos, o maior desde junho, embora ainda baixo em termos históricos.

A FGV informou ainda que o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) cresceu 0,2 ponto porcentual entre outubro e novembro, ao passar de 84,1% para 84,3%, o maior nível desde julho.

Fonte: Estadão Conteúdo



Conteúdos relacionados