GO: (62) 3250-0707 GO (62) 9 9644 0139 Horário Comercial

Emprego na indústria fica estável em novembro, mostra IBGE

O emprego na indústria brasileira ficou estável em novembro de 2013, na comparação com o mês anterior, segundo um levantamento divulgado nesta terça-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em outubro, depois de cinco meses seguidos de recuos, o emprego na indústria brasileira havia mostrado um leve crescimento de 0,1%.

Na comparação com novembro de 2012, o emprego na atividade fabril sofreu redução. A queda foi de 1,7%, a mais forte desde setembro daquele ano e o 26° resultado negativo seguido nesse tipo de comparação com o mesmo mês do ano anterior.

No ano, de janeiro a novembro de 2013, o total do pessoal ocupado na indústria teve uma retração de 1,1% e, em 12 meses, também recuou 1,1%, um pouco acima das taxas de agosto, setembro e outubro do ano passado.

Em novembro, a produção da indústria brasileira caiu, segundo uma pesquisa do IBGE divulgada na primeira semana de janeiro. Na comparação com outubro, a redução foi de 0,2%. Em setembro e em outubro do ano passado, a atividade fabril no país havia crescido 0,6%.

Fortes quedas em SP e no Nordeste
Na comparação com o mesmo período de 2012, o indicador da indústria caiu em 12 dos 14 locais pesquisados, segundo o IBGE. Pela ordem de importância no cálculo do indicador, os principais impactos negativos partiram de São Paulo, onde o emprego recuou 2,3%, e da Região Nordeste, com baixas de 4,1%.

Também mostraram resultados negativos, que impediram o aumento do índice, Rio Grande do Sul (-2,4%), Bahia (-5,5%), Minas Gerais (-1,3%) e Pernambuco (-4,2%). Na contramão, frearam a queda do indicador de emprego os comportamentos das indústrias das regiões Norte e Centro-Oeste, cujo emprego cresceu 1,4% nas duas juntas, e de Santa Catarina, com avanço de 0,4%.

Na análise por setores, o emprego na indústria brasileira recuou em 14 dos 18 ramos pesquisados, com destaque para as pressões negativas vindas de produtos de metal (-6,8%), calçados e couro (-6,2%) e máquinas e equipamentos (-3,8%), entre outros. As influências positivas partiram dos setores de alimentos e bebidas (0,9%) e de borracha e plástico (2,2%).

No ano, a queda foi registrada em 11 dos 14 locais e em 11 dos 18 setores pesquisados. A maior influência foi vista na Região Nordeste, cuja baixa foi de 4,6%, seguida por São Paulo (-0,7%), Rio Grande do Sul (-2,2%), Pernambuco (-6,7%) e Bahia (-5,7%). Na outra ponta, está Santa Catarina (0,9%).

As maiores contribuições partiram das indústrias de calçados e couro (-5,3%), outros produtos da indústria de transformação (-4,0%), vestuário (-2,7%) e máquinas e equipamentos (-2,2%), entre outros.

Salário
O salário dos trabalhadores da indústria brasileira cresceu 2,6% em novembro de 2013, em relação a outubro, puxado pela "clara influência da expansão de 2,1% registrada pela indústria de transformação, já que o setor extrativo apontou recuo de 1,4%", segundo o IBGE.

Na comparação anual, o valor da folha de pagamento caiu 3,7% em novembro – o primeiro resultado negativo desde dezembro de 2009 (-4,3%).

As quedas foram registradas em 13 dos 14 locais analisados.

Número de horas pagas
O número de horas pagas aos trabalhadores da indústria no país caiu 0,4% em novembro do ano passado, na comparação com outubro. No ano, esse indicador diminuiu mais, 2,2% – a sexta taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação e a mais forte desde fevereiro de 2013 (-2,3%).

Frente a 2012, as taxas negativas foram vistas em 11 dos 14 locais e em 14 dos 18 ramos pesquisados.

No ano (de janeiro a novembro), o total do número de horas pagas caiu 1,2% e, em 12 meses, também reduziu 1,2%.

Fonte: G1



Conteúdos relacionados