GO: (62) 3250-0707 GO (62) 9 9644 0139 Horário Comercial

Feriados podem custar R$ 45,5 bilhões à indústria em 2014

Em 2014, oito dos 12 feriados nacionais vão cair em dias da semana criando os chamados pontos facultativos, esperados pela população, mas que se tornam um gargalo para as fábricas do país. Estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) mostra que a paralisação da atividade econômica em virtude dos feridos será maior esse ano porque 30 dos 44 feriados estaduais cairão em dias úteis, seis a mais do que no ano passado. De acordo com o levantamento, o país vai deixar de produzir 3,6% do seu Produto Interno Bruto (PIB) industrial, sendo que o custo dos feriados chega a R$ 45,5 bilhões.

Os cálculos levam em conta as perdas de acordo com o PIB industrial por dia útil não trabalhado. Em Minas Gerais, o montante deve alcançar R$ 4,5 bilhões, isto porque vai haver pausa no estado e o prejuízo está relacionado a oito feriados nacionais, sem contabilizar as eventuais paradas municipais durante os dias de jogos da Copa do Mundo. “Mesmo a indústria que trabalha 24 horas, sem parar nos feriados, tem custo extra para funcionar durante esses dias”, observa Jonathas Goulart, especialista em Desenvolvimento Econômico da Firjan.

A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) não tem cálculos fechados sobre as perdas causadas por feriados, mas aponta que esse ano o número de dias parados será menor que em 2013. “Indústrias de base, como siderurgia e mineração, funcionam 24 horas e não param com os feriados. Como esses setores são fortes no PIB mineiro, as perdas no estado podem não atingir patamar tão alto”, estima Lincoln Fernandes, presidente do Conselho de Política Econômica e Industrial da Fiemg. Segundo ele, a produção de bens de consumo leve e setores como a construção civil devem sofrer mais com os feriados prolongados.

Negociações
Segmentos de uso intensivo da atividade humana e sem grandes níveis de automação costumam sentir de forma mais forte o impacto dos feriados. Gilson Xavier Oliveira, vice-presidente da indústria calçadista de Minas Gerais, acredita que a perda de mão de obra em função dos feriados e da Copa do Mundo alcance 10% esse ano. Ele considera que os feriados comprometem os resultados do segmento, já que em muitas linhas de produção não há como funcionar com apenas parte da mão de obra. Michel Aburachid, presidente do Sindicato da Indústria do Vestuário de Minas Gerais (Sindivest-MG), diz que o setor tem picos sazonais de produção e os feriados são driblados com a negociação. “Usamos o banco de horas, fazendo compensações de acordo com o previsto na convenção coletiva.”

Fonte: em.com.br, escrita por Marinella Castro



Conteúdos relacionados